quinta-feira, 22 de junho de 2006

Cicatrizes


Cicatrizes são memórias... sinais de estar cá! Marcas de dores e do tempo que passa... que passa, que cura, mas que não apaga nem deixa esquecer!
Esta, no joelho, vem-me daquela queda da minha bicicleta de menina, cor-de-rosa e com cestinho à frente! Mas que me atirou, sem cerimónia, ao chão naquela tarde de maiores corridas!
A da cabeça (que mal se nota!) veio-me para aqui trazida por uma pedra voadora que cruzou os céus e veio parar-me em cima! Nunca soube de onde vinha...
A da perna deu-ma uma garrafa partida que me rasgou a pele e me puxou o sangue!
As do coração... Essas têm todas nome! Nomes de gente! Algumas são leves arranhadelas; outras rasgões profundos. Olho para dentro de mim e analiso-lhes os tamanhos e, assim, a importância... É pela profundidade que lhes reconheço os nomes! A maior de todas as marcas ainda não é cicatriz! Será, quando o tempo passar por ela muitas vezes... Ficará mais pequena, mas não irá embora. Porque cicatrizes são memórias. E o tempo cura mas não apaga nem deixa esquecer!

4 comentários:

João Barbosa disse...

Um dia o corpo vai-se embora, mas na memória algumas vão perdurar, porque há memórias que duram para além da vida. A vida é eterna e as pessoas que nos são queridas dão-nos impressões duradouras. os momentos com elas ficam-nos no coração. O tralho que se deu com aquele amigo e causou cicatriz fica para sempre, tenho a certeza... e há-de haver sempre sorrisos e abraços.

ismael disse...

Cicatrizes.... Quando era puto gostava de ter cicatrizes,agora que as tenho e ainda sao algumas é-me indiferente.
Acho que com os pontos que já levei ao longo da minha vida, a minha equipa era sempre campeã nacional.
Pior mesmo sao aquelas cicatrizes que não estao os olhos das pessoas, e ainda nos causam dor.... mas essas o tempo se encarregará de as tratar.

Tânia Pereira disse...

Eu chamo a mim esta autoridade. Sou uma cicatriz andante. O ricardo está sempre a dizer que não as devemos ter nem transportar comnosco pois são âncoras para o passado...enfim. Têm o lado bom e o mau. Pelos sorrisos que esboço e pelo aconchego que sinto no coração quando me lembro de "boas cicatrizes", compensam as más...por isso, não me importo de viver muito no passado. Trago tudo comigo...

João Barbosa disse...

Bairro do Amor... tenho cicatrizes desse disco! fez-me feliz, hoje algumas memórias fazem-me doer. acho que se podem chamar cicatrizes...