quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

Ainda acende...


Acendo um cigarro com o isqueiro que deixaste esquecido na minha mesa de cabeceira...
Sempre deixaste coisas esquecidas perto de mim... houve até um dia em que te deixaste a ti quando foste embora... Foi o dia em que percebi o tamanho da paixão que te dedicava... peguei em ti e guardei-te cá dentro!
Uma vez foste embora para não voltares! Pelo menos assim pareceu e assim acreditei que seria! E não voltaste, realmente... Foi noutros cantos que te reencontrei e voltaste a deixar esquecido este isqueiro que ainda acende...
Ainda não sei se foi só o isqueiro que deixaste... Ainda tento perceber se te deixaste a ti, se fiquei contigo outra vez cá dentro, onde pensava que já não estavas... Houve algum dia em que tenhas realmente partido, ou andaste só a esconder-te?!
O isqueiro ainda acende... Sabes onde estou, se quiseres vir buscá-lo...

10 comentários:

Noa disse...

A nossa sempre eterna dúvida...
e sabe, é isso que mantém isqueiro a funcionar.
lindo texto. Liiiindo.
Bjks

Oeu ManusDei disse...

gasta-lhe o gas a acender os ultimos cigarros e dpois deita tudo fora...
cigarros, isqueiro...

enfim...u got the idea

Tamia disse...

Mas também o gás tem um fim... será que depois do isqueiro se gastar, voltará?
Prefiro pensar que sim.

Gostei muito.

Tânia Pereira disse...

Texto muito bem escrito
muito bonito o texto e a metáfora...bem apanhada!

Ana Fonseca disse...

Tamia: é recarregável! :)

JoãoBarbosa disse...

:-) Espero que não seja um Zippo... tem um odor pestilento ;-)

Louco de Lisboa disse...

Dá-me "lume"!!!

Até outro instante, kiss...

barrigagolfinho disse...

Tens bem mais sorte que eu, cada vez que encontro isqueiros funcionar é que nada! ;)

Anónimo disse...

Pura ilusão... nunca houve chama.

Ana Fonseca disse...

Anónimo: É muito feio falar do que não se sabe! Ficas a falar sozinho!