quinta-feira, 30 de novembro de 2006

Aceitas?!


Está guardada para nós e guardei-a porque quero saboreá-la contigo... numa noite em que possamos ter tempo para nos saborearmos também...
Havemos de abri-la e deixá-lo respirar para depois o derramarmos em duas taças, várias vezes, até que se acabe... ouviremos os copos a bater um no outro em cada brinde que fizermos e ergueremos as taças as vezes que as levarmos à boca para beber!
Iremos conversar e rir e, talvez, sonhar um pouco! E com os lábios em tons leves de roxo vou pedir-te um beijo, ou beijar-te sem te pedir e será também de lábios roxos que te falarei do que me vai cá dentro!
Depois vou beber-te porque também és vinho... embriagas-me e enebrias-me!
Não vou sequer pensar em guardar as taças... No dia seguinte encontrá-las-emos ainda no mesmo chão onde lhes bebemos o vinho...
Está guardada para nós e comprei-a a pensar-te em minha casa comigo... e eu a beber-te nos lábios...

2 comentários:

Luisa Fonseca disse...

Lindo e doce! Muitas taças erguidas, muito amor, muita felicidade pela vida fora.
Desta vez as palavras escaparam-se-me :)
Beijinhos grandes

Tânia Pereira disse...

Texto de quem está apaixonada sobre o bom que é estar-se apaixonado (e ser-se correspondido). Ainda bem que assim é.