segunda-feira, 10 de abril de 2006

Outra vez o Cheiro


Ontem à noite, aquele cheiro e quem o possui andavam por aí, ao alcance de quem os quisesse ver, sentir e ouvir... Não andavam literalmente por aí! Tinham lugar marcado para estar e eu sabia disso! Mas decidi não os ir visitar! Achei que seria melhor deixar-me ficar, num lugar onde aquele cheiro não me alcançasse e eu pudesse imaginar que ele não existe, ou que quem o passeia não exerce todo o poder que exerce sobre mim!
Saí de casa decidida a deixar-me ficar mas, à primeira proposta de companhia, não resisti e lá fui... com o coração apertado e todas as borboletas da primavera a bater as asas no meu estômago!
Logo ao entrar, antes de qualquer som, veio o cheiro ter comigo! Mas apenas o cheiro! E, pouco tempo depois, veio quem o passeia... com todo aquele cheiro que me agarra! Veio e foi logo a seguir!
Fiquei mais um pouco, a meio caminho do cheiro e do som... O suficiente para ver sem ser vista (não sei se consegui!)... Não fiquei muito tempo! Fui embora cedo mas levei o cheiro... senti-o toda a noite e ainda o sinto! Em todo o lado, em mim!
Só me apetecia pedir-lhe que ficasse... assim como eu estou ainda aqui e ainda não os larguei - nem o cheiro nem quem o passeia!... E não queria largar...

Imagem encontrada no Google sem referência ao autor

2 comentários:

Tânia Pereira disse...

Só para ajudar...o positivismo da tua saudade olfactiva roça a saudade de todos os outros sentidos. Há um cheiro que se passeia por vós e que só vocês os dois podem conhecer.A vantagem de se ser cheiro e de se puder fundir com o que se quiser.

claudia bettencourt disse...

precisamos falar!Não percebi muito bem! O que vai nesse coração amiga?