quinta-feira, 28 de junho de 2007

Botões de nós


Como é que se olha para ti sem que dispare este quase alarme... Sem estes trémulos de mãos e de coração, sem que surja, intempestiva, a lembrança daquela noite...

Aquela.. Aquela noite que foi de todas a mais perfeita, a dos olhos apaixonados, do sorriso por inteiro, da vontade de sempre, do "Deixa-me olhar para ti..." que me soltaste do nada, ou do Tudo (quem sabe o que pensavas nessa altura...).

Onde se fecha uma memória destas? Para onde se joga este pedaço de vida a que me agarro com a força dos dedos, das mãos, dos braços, dos pés, das pernas, de mim...

Onde se desliga este turbilhão que me assalta no mesmo momento em que (apenas) te pouso os olhos nos ombros, no peito onde (re)pousei tantas vezes, nos olhos?

Onde me desligo a mim, já que não há botão mágico que possa desligar-te a ti?...

Foto de Daniel Oliveira

7 comentários:

Tainha disse...

não desliga, deixa ser assim...tens todo o tempo do mundo, realmente gostas dele não é mesmo, realmente gostas...que lindo!

Lia disse...

Estavas tão bem... carrega noutro botão!!

Anónimo disse...

Chega-te ao pé de mim!
pele com pele...

Deixa que as minhas mãos te desenhem, que o brilho nos teus olhos seja o meu.
Beija-me... dá-me a mão...
Vamos ver morrer o dia, um mar de estrelas em teu olhos a nascer... e juntos com ele amanhecer.

E depois... deixas-me com uma ilusão, uma esperança pintada em mares de cartão, envoltos em promessas de eterna paixão!

mariazinha disse...

ai
se descobrires avisa onde fica!
...
ou
...
pensando melhor...
...
deixa lá...
não há sensação melhor que essa!

Tânia Pereira disse...

Ai...que lindo!

Matchbox30 disse...

Parabéns... gostei muito do que escreveste, metáfora incluída. Continua!

Alias disse...

Desligar para quê?
Nunca desligues aquilo que nos liga á vida, aquele pormenor que faz com que tudo faça sentido no final do dia.
O amor!